BEM VINDOS A MINHA HUMILDE RESIDENCIA



quinta-feira, 26 de julho de 2012

A ÁGUIA


Conta-se que em certa região um camponês acolheu um filhote de águia e decidiu criá-lo. Todavia, de águia nada entendia. E assim sendo, resolveu criar o filhote no galinheiro junto com os galos e galinhas. O filhote cresceu junto com os pintinhos e como galinha agia no dia a dia. Era como tal, em nada se diferenciava das outras aves do galinheiro. Embora em seus sonhos mais profundos ansiasse por algo diferente, havia há muito tentado se acostumar e conformar a fazer e receber apenas o que as galinhas fazem e recebem. Um dia, um naturalista passando por aquela região soube que havia uma águia que levava uma existência medíocre e limitada tal qual fosse uma galinha. Não acreditando, visitou o sítio e ficou chocado ao ver aquela ave que tinha tudo para ser imponente rastejando-se no chão ciscando que nem galinha. A muito custo, o naturalista enfim conseguiu persuadir o camponês a permitir a águia-galinha escolher o próprio caminho e seguir sua própria natureza. Mas, para espanto do naturalista, a ave insistia em fazer e ter o que fazem e têm as galinhas. O naturalista dizia para a águia: - Voa, voa livre, voa! Mas ela despencava no chão e intimidada corria para ficar entre as "outras" galinhas. O naturalista, contudo, não desistiu. Continuava acreditando no potencial que havia e há em seu interior, Levou-a para cima do telhado e disse: - Você é uma águia, abra as asas e voe! Embora desafiada a alçar vôo, a águia olhou ao redor por algum tempo por-em confusa por não ter certeza de quem ou o que era, amedrontada correu para o galinheiro. No outro dia, mais uma vez decidido a explorar e desenvolver seu potencial, confiando plenamente nele, o naturalista pacientemente conduziu a águia para o alto de uma montanha, longe de tudo e de todos, levando-a a alturas que sequer suspeitara ser possível. Então, ergueu-a bem alto, apontou para o horizonte e sussurrou-lhe: - Veja! O Céu lhe pertence... é o seu lugar de direito e conquista! Abra as suas asas e voe! E impulsionou o animal para cima. A rainha dos pássaros ao receber aquele encorajamento sentiu um tremor... olhava para o galinheiro, lá embaixo já tão distante... e para o céu. Percebeu que diante de si haviam possibilidades... Mas ainda não alçou vôo. Em uma derradeira tentativa, o naturalista colocou-a na direção do sol... E aí aconteceu... Maravilhada por aquele esplendor, sentindo um delicioso tremor tomar conta de si, como se a Luz do Sol viesse penetrá-la e despertá-la como a correr em próprias veias... diante daquela imensidão azul, a Águia abriu as asas, emitiu um sonoro crocitar e alçou vôo...! Seu primeiro vôo de Liberdade. Depois daquele, houveram muitos outros vôos. Cada um com mais maestria e naturalidade. Conta-se que até hoje a Águia se recorda com carinho das galinhas e do camponês que a criaram... e do amigo naturalista que em sua sabedoria a havia estimulado a realizar seu potencial. Mas hoje a Águia vive feliz, realizada e em paz, conquistando sempre novos horizontes no firmamento...